dialogando-sobre-texto-dulce-14-09

 

 

 

 

 

 

 

 

No seu dia a dia você tem consciência de quanto gasta e se consegue honrar todos os compromissos do mês?  Ou simplesmente deixa a vida lhe levar e vai pagando as contas quando chegam e assim “vai levando a vida”? Às vezes tem que pedir ajuda ou conta com a sorte de receber um “extra” que paga aquela conta que nem lembrava mais?

Minha experiência em Grupos de Orientação Financeira, ao longo dos últimos 10 anos, tem demostrado que as pessoas se comportam diferentemente frente a esta questão das finanças, podendo estar em dois extremos de uma linha de organização. Aquelas que controlam exatamente tudo que gastam, sabendo onde foi cada centavo e aquelas que não têm a menor noção de seus gastos, evitando até olhar o extrato da conta bancária.   Uma pessoa me contou que ficava três meses sem olhar o seu extrato, e outra me falou que evitava olhar e, quando não dava mais e tinha que olhar, ficava com náuseas, dor no estomago, etc. e tal.  O ideal é estar no meio desta linha, nem tão controlado assim, o que tira até o prazer de gastar, mas também não perder por completo o controle da situação.

A primeira atitude da pessoa que quer se organizar financeiramente é saber o quanto ganha e o quanto gasta mensalmente.  Muita gente nunca fez este exercício, pois pode parecer muito difícil de começar.

Minha sugestão é iniciar anotando todos os valores que você gasta diariamente. Compre algum bloco ou agenda e faça suas anotações diárias.  Todos os dias anote o que você gastou, pode ser até as pequenas contas como o lanche ou o cafezinho. Anote todos os gastos que você lembrar, a partir de agora, e durante o próximo mês.

Depois de algum tempo habituado a anotar tudo, você pode então organizar uma tabela de ganhos e gastos, que servirá para ajudar a se organizar financeiramente.

A Orientação Financeira é um importante investimento para uma vida tranquila. Saber onde gastamos o dinheiro nos ajuda a decidir se queremos continuar dispendendo desta maneira, onde vamos economizar e quais as coisas que vamos nos permitir gastar, pois são importantes para nós.

O tema dinheiro é fundamental na vida das pessoas e permeia a relação com o trabalho, com a família e a escolha das atividades que desenvolvemos ao longo da vida, como a profissão.

A vivência familiar é fundamental no estabelecimento da relação do indivíduo com o dinheiro, pois é através da família que ele significa e aprende a lidar com o dinheiro. Aprendemos tudo na família e lidar com o dinheiro também.  Muitas vezes pelo exemplo daquilo que vemos em casa, e nem sempre por meio de um diálogo, de uma conversa franca e aberta.

Frequentemente as pessoas procuram fazer igual ao modelo que tiveram em casa e quando esse modelo não agrada, procuram fazer o seu contrário, de modo diferente, para não sofrer o mesmo que os pais/avós sofreram.

É importante conversar com os familiares, com aqueles que convivem conosco no dia a dia e são responsáveis também pelo dinheiro do qual estamos falando, seja para ajudar a ganhá-lo ou para gastá-lo.  Um planejamento financeiro só terá sucesso se todas as pessoas da família participarem. Então, mãos e converse à obra: sente com os seus familiares e elaborem sua tabela financeira. Peça ajuda e preencham juntos os GANHOS E GASTOS familiares. Somente um trabalho conjunto pode levar a uma melhor administração financeira familiar.

 

 

O Instituto do Ser – Orientação Profissional e de Carreira oferece o Programa de Orientação Financeira (PROFIN), para Jovens, Adultos e Aposentados, com o objetivo de sensibilizar os participantes para a importância do planejamento financeiro na vida cotidiana. Discutir sobre: O que é o dinheiro e o que ele significa para mim? O que é desejo e o que é necessidade? O que eu faço com dinheiro? Para que eu preciso de dinheiro?  Se eu ganhasse mais eu seria mais feliz? Será que se eu ganhar menos eu serei menos feliz?  Estou satisfeito com a relação que meus filhos, meu marido, e meus familiares têm com o dinheiro? E será que estou deixando de curtir algumas coisas boas da vida por causa do dinheiro? Existem diferenças entre os gastos de homens e mulheres? Como fazer para economizar e poder realizar algum sonho?

Este trabalho é realizado por uma equipe de profissionais psicólogos capacitados, que realizam esse trabalho mediado pela escuta psicológica, técnicas e instrumentos que visam auxiliar a pessoa em seus comportamentos relacionados com a vida financeira. Maiores informações no nosso site www.instserop.com.br  ou pelo face book.

Veja também os textos sobre a relação com o dinheiro no Dialogando sobre.

DULCE HELENA PENNA SOARES é Psicóloga e professora universitária. Realizou pós doutorado, pesquisando sobre Aposentadoria e Tempo Livre, na UFRGS. Cursou doutorado em Psicologia Clínica na Universidade Louis Pasteur Strasbourg. É professora aposentada da Universidade Federal de Santa Catarina. Criou e coordenou por 25 anos o Laboratório de Informação e Orientação Profissional www.liop.ufsc.br. É sócia e professora do Instituto do Ser – Orientação Profissional e de Carreira. Criou e coordenou de 2006 a 2012 os Projetos: APOSENT-AÇÃO e o PROFIN do LIOP/UFSC. Atua como Consultora em Programas de Orientação para Aposentadoria e Orientação Financeira em diversas organizações publica e privadas.

 

novembro 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Page generated in 0,493 seconds. Stats plugin by www.blog.ca